terça-feira, 29 de junho de 2010

Esparguete à Bolonhesa

Comprei carne de vaca picada e fiz um refogado em azeite, juntamente com um pouco de margarina, com alho e cebola ao qual juntei a carne. Temperei com sal e quando tudo alourou, deitei polpa de tomate e um pouco de água para cozinhar a carne.
Entretanto, à parte, cozi a esparguete com sal e um dente de alho, durante cerca de dez minutos. Quando cozeu, reservei.
Entretanto adicionei uma lata de cogumelos laminados à carne e deixei refogar mais um pouco envolvendo tudo.
Deitei a carne numa travessa de ir ao forno. Por cima coloquei a esparguete e deitei uma embalagem de queijo ralado por cima de tudo. Levei ao forno a gratinar durante cerca de 25 minutos a 200º e estava pronto. Ficou muito apetitoso!

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Arroz de Cenoura

Esta é mais uma receita que me foi passada pela minha mãe e que adoro.
Dou conta que coloco aqui imensas receitas da minha mãe mas é nela que vou sempre buscar inspiração, antes de qualquer pesquisa na internet... E como agora estamos longe uma da outra, parece que fico com mais vontade de cozinhar em casa o que a minha mãe sempre cozinhou.
Para terem uma ideia do que estou a "falar", num destes fins-de-semana a minha mãe perguntou o que eu gostaria que ela fizesse para um almoço uma vez que íamos estar todos juntos, e a minha resposta foi que não sabia porque tenho feito o que ela também costuma cozinhar...
Mas passando à receita do Arroz de Cenoura, é muito fácil e fica muito bom.
Deito um pouco de óleo num tacho e sobre ele pico dois ou três dentes de alho e uma cebola pequena. Junto ainda uma cenoura média cortada aos quadradinhos pequenos e levo a refogar. Quando a cebola e os alhos alourarem, deito água (sempre o dobro da medida que uso com a quantidade de arroz) e quando esta ferver, adiciono o arroz.
Deito sal q.b. e deixo cozer durante dez minutos. Depois de apagado o lume, deixo o arroz a repousar com a tampa colocada no tacho, por forma a que a água da cozedura que sobrou, evapore totalmente e desta forma, o arroz fica mais solto também.
Está pronto e é muito apetitoso :)

150...

O meu obrigada por termos chegado a este número "redondo": 150 seguidores... Nunca pensei ter tantos leitore(a)s interessados nos meus 'singelos' cozinhados.
A todos vocês, o meu sincero obrigada. São uma fonte de inspiração e de estímulo para continuar aqui e para ir experimentando e fotografando novas experiências culinárias.
Claro que as implicações são também uma maior responsabilidade e um cuidado e atenção acrescidos com tudo o que aqui possa colocar mas é assim que se 'evolui'...
:)

terça-feira, 22 de junho de 2010

Costeletas panadas

Esta receita é muito simples mas foi a primeira vez que a fiz... Geralmente peço à minha mãe para fazer panados porque não gosto muito de ficar com as mãos cheias de ovo e pão ralado. No entanto, como estava cheia de saudades de comer panados e como não estou com os meus pais há algumas semanas, decidi meter mãos à obra e afinal sujar as mãos no ovo e no pão ralado não custa assim tanto, até o meu filho ajudou (são as suas mãos na foto do lado direito, em cima).
Assim, temperei várias costeletas do lombo que são as minhas preferidas, e outras do "fundo" que são as preferidas do meu marido) com alho em pó, sal, colorau, louro e sumo de limão.
Deixei-as a marinar durante uma tarde e antes de as fritar, passei-as por ovo e depois pelo pão ralado. Fritaram em óleo bem quente durante alguns minutos e estavam prontas. Depois de fritas, coloquei-as sobre papel de cozinha por forma a que este absorvesse parte do óleo da fritura.
Ficaram muito apetitosas por causa do sumo de limão e agora que já 'desmistifiquei' a "questão" das mãos ficarem com (muito) ovo e pão ralado, posso continuar a fazer panados.

domingo, 20 de junho de 2010

Patas Gigantes de Caranguejo Real do Alaska

Este petisco delicioso (apesar de poder haver quem considere o aspecto deste Caranguejo Gigante "estranho") não custa nada a fazer, é delicioso e nós adoramos.
É só ir ao Pingo Doce e comprar as Patas Gigantes de Caranguejo Real do Alaska  (quem quiser saber mais sobre este Caranguejo pode ver no Discovery Channel o programa Pesca Radical que costumamos ver cá em casa).
As patas estão previamente cozidas, ainda que as compremos congeladas, e depois é só chegar a casa e fervê-las com um pouco de sal.
Deixamos arrefecer e o Caranguejo e está pronto a comer. A casca é quase mole pelo que é muito fácil comer este petisco fenomenal, não são necessários instrumentos específicos para o partir.
Recomendo vivamente a quem nunca experimentou porque tem um sabor único.

Bacalhau gratinado com Batatas e Azeitonas

Fiz esta receita um pouco inventada porque tinha postas de Bacalhau no congelador que nós não gostamos muito de comer 'simples': cabeças, rabos e postas mais finas.
Assim sendo, decidi meter mãos à obra para aproveitar o Bacalhau que estas postas tinham e decidi cozer tudo para depois o desfiar.
Entretanto, fritei cerca de seis batatas médias cortadas às rodelas grossas e reservei.
Num tacho coloquei uma cebola média picada e uma cabeça de alhos picados e deitei azeite por forma a que cobrisse tudo. Refoguei um pouco e juntei o Bacalhau previamente desfiado. Deixei tudo ao lume cerca de dez minutos e juntei um pouco de leite quando estava quase tudo seco.
Ao Bacalhau no tacho juntei as batatas previamente fritas, mais um pouco de leite e metade de um frasco de azeitonas verdes sem caroço. Envolvi tudo calmamente para que as batatas não se partissem, juntei um pouco de molho béchamel e quando tudo estava envolvido deitei numa travessa de ir ao forno.
Por cima deitei o resto do molho béchamel e um pouco de pão ralado com alho e salsa. Entretanto coloquei, também, as restantes azeitonas e levei ao forno a gratinar durante cerca de meia hora a 200º.
Como se pode ver na foto em baixo do lado direito, tive a ajuda preciosa do meu filho a colocar as azeitonas por cima do bacalhau e das batatas.
Este prato parece ter tido um gostinho mais especial porque cozinhei, pela primeira vez, batatas semeadas por nós na nossa horta e porque foi uma espécie de invenção para acabar com os "restos" de bacalhau que enchiam o congelador...
:)

sábado, 19 de junho de 2010

Fusilli Tricolore com Ananás, Frango e Peru

Tinha no frigorífico um bife grande de Peru que tinha sobrado duma refeição e um peito e uma perna de Frango que tinha feito no forno. Não sabia o que lhes fazer porque não davam para uma refeição em família e não gosto nada de deitar fora comida que ainda está óptima.
Assim sendo, desfiei tudo (o bife de Peru e o resto do Frango), e como ambos ainda tinham molho, fiz um refogado com as carnes e com pedaços de ananás que juntei (comprei uma lata média com ananás às rodelas).
Juntei ainda um pouco do sumo do ananás que estava na lata, um pouco de leite e de polpa de tomate. Deixei ao lume durante cerca de dez minutos e quando o molho estava quase seco juntei água até meio do tacho. Quando ferveu juntei o Fusilli Tricolore e deixei cozer mais dez minutos. Estava pronto, ficou muito bom e foi uma forma de aproveitar restos de comida.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Recebi em casa o Bag-in-Box do Casal da Eira

Foram muito simpáticos e deixaram-me agradavelmente surpreendida quando me contactaram para ser uma "Chefe Oficial Casal da Eira", tal como está no 'banner' do lado direito do blog.
Entretanto, e depois de vários contactos por e-mail, pediram-me a morada para poderem proceder ao envio da Bag-in-Box com vinho branco Casal da Eira. Recebi-o ontem em casa, ainda não o abri nem experimentei mas isso está para breve até para aproveitar a receita que vinha na própria embalagem.
Obrigada pela atenção, foram muito simpáticos e gostei muito de receber em casa o vosso vinho :)

domingo, 6 de junho de 2010

Arroz de Feijão

Para fazer um acompanhamento diferente, decidi-me a experimentar fazer um arroz de feijão. Não é nada complicado ou elaborado e inspirei-me na receita que encontrei aqui.
Assim, levei a alourar em azeite uma cebola pequena picada. Juntei o feijão (previamente lavado e escorrido, neste caso usei um frasco pequeno de feijão encarnado cozido) e deixei refogar um pouco.
Como medida para o arroz utilizei uma caneca pequena pelo que quando o feijão refogou um pouco, juntei cinco canecas (da medida do arroz) de água e quando ferveu, adicionei duas canecas de arroz. Temperei com sal e deixei cozer durante cerca de dez minutos.
Ficou óptimo e é uma maneira diferente de comer o arroz "do costume".
:)


sábado, 5 de junho de 2010

Lulas Grelhadas com Molho de Alhos

Depois de uma ausência devido a falta de fotos e de inspiração, regresso com esta receita que me foi passada pela minha mãe e que adoro apesar da sua simplicidade.
Comprei um quilo de lulas frescas (para dois adultos e uma criança já que as lulas 'encolhem' bastante ao serem cozinhadas) que pedi para serem limpas ainda na peixaria do supermercado.
Temperei-as com sal e alho em pó, foram grelhadas e acompanhadas por batata cozida e salada mas, quanto a mim, o 'segredo' para este prato ficar apetitoso, está no molho. Também podem ser temperadas com azeite e vinagre mas, neste caso, levei ao lume vários dentes de alho grandes, laminados, em margarina. Deixam-se cozinhar os alhos até alourarem e temperam-se as lulas e as batatas cozidas com este molho. Fica óptimo devido ao sabor do alho.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...