sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz Ano Novo!

A todos que por aqui passam ficam os votos de um ano novo muito doce, saboroso e apetitoso.
Que a vida vos traga tudo de bom e do melhor :)
Beijinhos e Feliz 2011!

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Mousse de chocolate de duas cores

Fiz esta mousse pela primeira vez há muitos anos atrás depois de ter visto a receita numa revista. Com o passar do tempo adaptei a confecção desta mousse de duas cores ao meu "estilo" e trata-se duma mousse 'normal' onde o que chama a atenção é o facto de ter, precisamente, duas cores, devido aos dois chocolates utilizados: branco e o castanho, de culinária.
A forma que utilizo para "operacionalizar" esta mousse é preparar tudo antes de levar os chocolates a derreter.
Assim, coloco num tacho uma tablete de chocolate culinário (200 gramas) juntamente com 125 gramas de margarina. Noutro tacho coloco a tablete de chocolate culinário branco (200 gramas) juntamente com a mesma quantia de margarina (125 gramas) e reservo. (Só uma nota para referir que deixo sempre de fora dois quadrados de cada uma das tabletes para no fim raspar e enfeitar a mousse por cima.)
Em duas tigelas bato, respectivamente, 6 gemas de ovo com 6 colheres de açúcar até ficar esbranquiçado e a fazer bolhinhas e reservo.
Numa tigela grande bato em castelo as 12 claras dos ovos que misturei com o açúcar e reservo.
Começo por fazer a mousse de chocolate castanho, como faço habitualmente a minha mousse de chocolate, levando a lume pequeno e baixo o chocolate com a margarina. Quando tudo está derretido e depois de mexer apago o lume e junto a este preparado a mistura das gemas com o açúcar. Envolvo tudo e vai ficando com um aspecto cremoso e fofo. Depois de tudo envolvido, junto metade das claras em castelo e a mousse está pronta quando está lisa e com um ar volumoso e cremoso. Reservo esta mousse e depois volto a repetir estes passos com o chocolate branco.
Depois eu diria que é quase uma questão de sorte ou ciência ou de equilibrismo porque eu "limito-me" a pegar em cada uma das tigelas que têm cada uma das mousses, uma em cada mão, e sobre uma tigela grande verto as duas ao mesmo tempo lá para dentro e parece quase um milagre o facto de as mousses de cores diferentes não se misturarem. Fica um efeito giríssimo com metade da tigela com mousse branca e a outra metade com mousse castanha.
Por cima enfeito com raspas das tabletes de chocolate branco e castanho. Idealmente deverá ir ao frigorífico de um dia para o outro para 'enrijecer' e não ficar líquida.
Fiz esta mousse para levar para a passagem de ano amanhã que será passada entre amigos, espero que gostem e aqui fica também uma sugestão doce para a vossa entrada em 2011.


Bolachas de Chocolate de Natal da Nigella

Antes de passar à receita propriamente dita, gostaria de deixar algumas considerações sobre a feitura destas (magníficas) bolachas:
- São uma bomba calórica,
- Depois de duas ou três bolachas parece que tivémos uma 'overdose' de chocolate,
- São extraordinariamente gulosas, apetitosas e saborosas mas...:
- Se não tivermos cuidado, quando o forno já está quente, e se não tiverem um forno gigante como eu, terão de levar várias vezes, vários tabuleiros, com a massa das bolachas, ao forno, estas começam a queimar e bastam cinco minutos para ficarem cozinhadas,
- Dispenso a calda, é mais um extra de chocolate e ainda que enquanto comemos as bolachas mais pareça que vamos chorar por o sabor ser tão divinal, comem-se bem mornas e a calda humedece e refresca as bolachas,
- Não fazer bolinhas muito grandes porque senão aumentam de tamanho e pegam-se umas com as outras,
- Para evitar que se colassem aos tabuleiros, forrei os mesmos com papel vegetal que pincelei com um bocadinho de óleo e resultou.
E depois destas observações que deversão ser tidas em conta, pelo menos por mim, passo à receita destas extraordinárias e divinais Bolachas de Chocolate de Natal da Nigella.
Misturar e envolver uma embalagem de 200/250 gramas de manteiga sem sal, uma embalagem de 125 gramas de chocolate em pó, 125 gramas de açúcar em pó, 125 gramas de farinha e uma colher de chá de bicabornato de sódio. Fazer bolinhas com a massa e levar ao forno a 200º durante 15 minutos (atenção ao calor do forno, como referi lá atrás).
Em relação à calda, devemos levar ao lume açúcar e cacau em pó (usei mais ou menos 100 gramas), uma colher de chá de baunilha líquida e quando 'ferver' adicionar água a ferver. Misturar tudo, deitar posteriormente por cima das bolachas e enfeitá-las como se quiser (usei missangas decorativas mas podem ser muitas outras coisas).


quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Artefactos culinários que estavam em falta na minha cozinha...

Sem eu procurar ou esperar, encontrei num destes dias, às compras no supermercado, dois utensílios culinários que estavam em falta na minha cozinha e que fazem parte do meu imaginário infantil pois a minha mãe sempre os usou e sempre achei que dariam jeito na confecção de algumas receitas.
Em relação ao Almofariz, a minha mãe sempre o usou para "moer" sal, coentros e alhos, por exemplo, mas pode servir para moer outros ingredientes. Foi usado para faxer parte do tempero do Perú de Natal, cuja receita ainda não coloquei aqui.
Quanto ao "corta massa", a minha mãe tem um idêntico ao da foto que comprei, mas em madeira. Nunca a minha mãe comeu, fez ou provou pizzas, sendo que este utensílio sempre foi usado por si para fazer as suas Filhoses de Natal e cortar a massa das Azevias para lhes dar o tal formato de "rissol XL" bem como para fazer uns deliciosos e magníficos rissóis de Pescada que não faz há anos.
E assim a minha cozinha ficou mais rica e composta...

Almofariz

Corta massa

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Camarões fritos do meu marido

Já por aqui tenho colocado diversas receitas de Camarão cozido e frito e esta é mais uma versão, não muito diferente das restantes mas que tem a particulariedade de ser feita pelo meu marido e não por mim (reparo agora que as últimas receitas não são "minhas" mas fica tudo em família e o importante é partilhar...).
Os camarões são escaldados antes de serem fritos, ou seja, durante apenas uns 5 segundos deita-se água a ferver por cima dos camarões ainda congelados.
Depois levam-se a fritar em azeite com alho laminado, mostarda, sal e piri-piri a gosto. Deixa-se apurar e já está. Quando estão com um ar frito, deitam-se coentros por cima dos camarões e estão prontos a comer.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Azevias de Grão da minha mãe (do Alto Alentejo)

As Azevias, tal como as Filhoses, acompanham-me nos Natais desde sempre e tal como as Filhoses, nunca as fiz porque acho sempre que sendo feitas pela minha mãe, estão excelentes e com um sabor diferente e quase "mágico"...
A receita da massa é exactamente igual à das Filhoses, que volto a deixar aqui, com a diferença de que no final, e depois de terem uma colher de sobremesa de doce dentro, a massa deve ser recortada em formato de "rissol XL" ou em formato de pastel de massa tenra, tal como está na foto das Azevias que aqui vos deixo.
Estas quantidades dão para dois alguidares médios cheios de Azevias.
Receita da massa:
- 1 Kg de farinha (de acordo com a minha mãe, e depois de ter experimentado várias farinhas, diz-me que a melhor e com a qual as filhoses ficam muito melhores é com a Farinha Branca de Neve Fina),
- 3 Ovos,
- Sumo de 2 laranjas,
- 1 caixa de banha de 250 gr,
- 1 dl de águardente,
- água quente com sal (mais ou menos 250 ml).
Amassar todos os ingredientes e ir colocando a água quente até perceber que está pronta a estender com o rolo da massa e que se descola das nossas mãos.
Depois ir colocando farinha nas mãos para estender a massa e amassá-la com o rolo por forma a que sejam feitas em forma de "rissol XL" para depois serem 'fechadas' com o recheio lá dentro.
Receita do Doce de Grão:
- para poupar tempo, podemos usar 2 latas grandes de grão já cozido,
- Casca e sumo de 1 laranja,
- 4 pauzinhos de Canela,
- Açúcar a gosto a partir de 0,5 Kg.
Devemos começar por retirar a pele ao grão (lembro-me de ter esta tarefa nas férias escolares de Natal da minha infância) e triturá-lo.
Depois colocamos o grão já passado e triturado num tacho juntamente com a casca e o sumo da laranja bem como os quatro pauzinhos de canela.
Quando ferver adicionar o açúcare mexer muito bem. Quando começar a 'borbulhar' deixar ficar assim um pouco em lume baixo e quando estiver quase seco está pronto o doce. Retirar os pauzinhos da canela e deitar uma colher de sobremesa dentro da massa que se fecha e se leva a fritar em óleo bem quente. Colocar sobre papel absorvente e depois deitar-lhes por cima açúcar e canela a gosto.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Filhoses da minha mãe do Alto Alentejo

Estas filhoses acompanham-me nos Natais desde que me lembro de existir. São uma marca, um traço único da minha mãe e ainda que tenha a receita desde sempre, nunca a coloquei em prática. Como tantas outras receitas que a minha mãe faz desde sempre, esta é mais uma que tem um sabor especial por ser feita, precisamente, pela minha mãe. No entanto, quero preservar ao máximo a sua memória e a sua feitura pelo que aqui partilho convosco a forma de confeccionar estas filhozes típicas do Alto Alentejo de onde a minha mãe é oriunda.
Vou passar à receita que dá para dois alguidares cheios de filhoses como o que está na primeira foto deste post.
- 1 Kg de farinha (de acordo com a minha mãe, e depois de ter experimentado várias farinhas, diz-me que a melhor e com a qual as filhoses ficam muito melhores é com a Farinha Branca de Neve Fina),
- 3 Ovos,
- Sumo de 2 laranjas,
- 1 caixa de banha de 250 gr,
- 1 dl de águardente,
- água quente com sal (mais ou menos 250 ml).
Amassar todos os ingredientes e ir colocando a água quente até perceber que está pronta a estender com o rolo da massa e que se descola das nossas mãos.
Depois ir colocando farinha nas mãos para estender a massa e amassá-la com o rolo por forma a que sejam feitos rectângulos médios com dois cortes no meio.
Leva-se a fritar em óleo bem quente, ter cuidado para os rectângulos de massa não enrolarem, colocar sobre papel absorvente e depois deitar-lhes por cima açúcar e canela a gosto.
As filhoses deste ano ficaram particularmente saborosas e rijas como se quer.


"Roupa Velha"

Este ano passámos o Natal em casa dos meus pais pelo que os cozinhados ficaram todos "a cargo" da minha mãe. Assim sendo irei colocar aqui várias receitas elaboradas pela minha mãe e começo já por esta tradicional Roupa Velha que foi o nosso almoço no dia de Natal.
Esta receita é confeccionada com os restos que sobraram da véspera de Natal e que foram, precisamente, o Bacalhau cozido com couves, batatas e ovo.
Tendo de lado os restos e desfiando o Bacalhau que sobrou, levar ao lume numa frigideira, cebolas e alhos picados a gosto a refogarem em azeite.
Quando alourarem, adicionar o Bacalhau, as batatas, a couve-flor, os bróculos, a couve portuguesa e os ovos, mexer cuidadosamente e deixar refogar um pouco.
Retirar do lume e colocar numa travessa de ir ao forno, deitando por cima um pacote de natas e vai tudo ao forno a gratinar.
Ficou óptimo e muito saboroso e é realmente uma excelente forma de aproveitar restos.


quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Feliz Natal, Boas Festas

Deixo aqui os meus votos de Feliz Natal e de Boas Festas a todos que passam por aqui.
Quero ainda agradecer por gostarem de ler (e de fazer) as simples receitas que aqui vou deixando.
Em género de balanço, e sendo muito sincera, nunca pensei que o blog atingisse as "proporções" que tem hoje em dia e isso faz-me sentir cada vez mais responsável por tudo o que aqui vou colocando.
Gostava de ser mais assídua mas nem sempre o tempo e a vida permite que faça novas receitas e/ou tire fotos.
Mas o que importa agora é que desejo que tenham umas Boas Festas recheadas de maravilhosas iguarias.
Um bem haja a todos os leitores e até breve :)

(imagem retirada da net)

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Batatinhas em molho de Alhos

A minha mãe costuma fazer este acompanhamento que eu (infelizmente) adoro. Já tinha este post preparado há quase duas semanas mas só agora o estou a publicar.
Segundo a minha mãe, devemos cozer as batatas (não muito grandes) com a pele e um pouco de sal mas de forma a que não cozam completamente, ficando um pouco 'rijas'.
Depois descascam-se e levam-se ao lume num tacho com óleo e margarina, cheio de alhos laminados. Temperar com mais um pouco de sal e estão prontas quando estiverem com um ar dourado e os alhos fritos.
É um acompanhamento muito simples mas diferente das habituais batatas cozidas ou fritas. Ficam muito 'gulosas' e apetece sempre comer muitas batatinhas com o molho cheio de alhos.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Bacalhau à Senhor Prior

Fui encontrar esta receita, mais uma de Bacalhau, num folheto do LIDL, de Março de 2009, guardado no meu caderno das receitas, referente à Páscoa. Para além da publicidade aos produtos do supermercado, este folheto traz também algumas receitas como este Bacalhau que é apresentado como sendo um dos pratos principais.
Como já tenho referido por aqui, ando sempre à procura de formas diferentes de cozinhar o Bacalhau pois é um peixe de que gostamos bastante e que cozinho muitas vezes.
Na receita original são referidas 4 postas de Bacalhau demolhado que serão cortadas aos cubos (em crú). Eu para poupar tempo e trabalho, decidi utilizar uma caixa de 400 gramas de Bacalhau desfiado que tinha cá em casa.
Assim sendo, e depois desta nota, vou passar à receita.
Depois de ter o Bacalhau previamente demolhado, passá-lo por farinha e fritá-lo, de ambos os lados, em azeite.
Quando estiver frito, devemos retirá-lo da frigideira e colocar nesta três cebolas médias partidas em meias luas e três dentes de alho picados até alourarem. Temperar com sal e pimenta e deixar ferver.
À parte, descascar e fritar cerca de meio quilo de batatas em rodelas que deverão também ficar a aguardar depois de fritas.
Bater numa tigela 4 ovos e temperá-los com sal e pimenta a gosto.
Num prato de ir ao forno (que deverá estar previamente aquecido a 200º), colocar as batatas fritas no fundo, o bacalhau frito por cima, depois colocar a mistura da cebola e do alho alourado e, finalmente, deitar os ovos por cima de tudo.
Levar ao forno durante meia hora a 200º até os ovos ficarem cozinhados e servir polvilhado com salsa picada. Como o filhote não gosta de salsa, optei por a colocar à parte para quem quisesse se servir e colocar a Salsa no seu próprio prato.
Ficou muito saboroso e 'guloso'. Será para repetir muitas mais vezes.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Sonhos de Limão

Já tinha feito uns Sonhos de Natal que costumo fazer mas andava à procura duma receita diferente para fazer uns Sonhos 'diferentes'. Nem de propósito, encontro no blog Cinco Quartos de Laranja a receita de uns Sonhos de Limão que rapidamente pus em prática. São óptimos, muito saborosos e fofos, diria mesmo que são divinais e fazem-se muito rapidamente...
Os ingredientes são:
- 300g de farinha,
- 7 ovos,
- 80g de margarina (eu usei 100 gramas por ser mais fácil de medir),
- 0,5 Lt de água,
- 1 pitada de sal,
- 1 pau de canela,
- Casca de 1 limão,
- Açúcar e Canela para polvilhar.

Coloquei num tacho a casca do limão, a água, a margarina e o pau de canela. Levei ao lume e deixei ferver um pouco. Entretanto, ainda ao lume e a ferver, retirei o pau de canela e a casca de limão. Deitei a farinha e mexi bem até formar uma bola. Retirei do lume e deixei arrefecer. Quando arrefeceu um pouco, juntei os ovos um a um e bati muito bem entre cada ovo.
Fritei depois às colheradas em óleo bem quente e não se devem colocar muitos sonhos na frigideira ao mesmo tempo porque eles crescem bastante.
Depois de fritos polvilhei com açúcar e canela a gosto.




sábado, 4 de dezembro de 2010

Broas da Bisavó do meu filho

Estas broas são uma receita da avó do meu marido, bisavó do meu filho.
Desde que a conheço que também me lembro destas broas e neste Sábado tão frio soube mesmo bem aprender a fazê-las sendo que a grande ajuda foi da parte do meu filho que esteve sempre com a bisavó enquanto esta fazia a massa e as bolinhas para irem ao forno. Tirei imensas fotos aos dois porque acho que é um privilégio o meu filho ainda ter uma bisavó com 84 anos e, quando for crescido, de certeza que vai adorar ter um registo destes momentos tão preciosos
Assim, os ingredientes necessários para fazer estas broas tão apetitosas e gulosas são:
- Raspa de um limão,
- 600 gr de farinha,
- 300 gr de açúcar,
- 3 ovos,
- 1 colher de chá de bicabornato de sódio,
- 1 colher de chá de erva doce.

Depois mistura-se tudo, amassando com a mão, tender a massa para fazer bólinhas com as mãos e vai ao forno durante 15 mns a 225º num tabuleiro untado com margarina e farinha. Não convém colocar muitas e juntas porque com a cozedura a massa aumenta de tamanho e as broas podem 'pegar-se'.
Esta porção rendeu imensas broas, quatro tabuleiros iguais ao que se vê na foto o que equivaleu a cerca de 60 broas.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Sapateira (já cozida, receita do recheio)

Por norma compramos as sapateiras vivas mas ontem, com pouca vontade de ter trabalho, e estando à venda no Pingo Doce, já cozidas, a 4,99€/Kilo, achámos que seria uma boa compra...
A Sapateira era grande e estava bem recheada, faltava apenas um pouco de sal e ainda bem que cá em casa gostamos de partes diferentes da Sapateira (ou sapatilha como diz o meu filho...). Eu adoro as patas grandes e carnudas e o maridão prefere as patinhas mais pequenas e as outras partes. Já o filhote ficou-se pelo recheio da Sapateira no pão.
E é do recheio que vou falar porque faço-o sempre eu depois do maridão ter esvaziado e limpo o recheio da carapaça da Sapateira que trituro com a varinha mágica.
Depois tempero com um pouco de sal, adiciono piri-piri a gosto, uma colher de sopa de maionese, uma colher de sobremesa de mostarda e um pouco de pão ralado (com alho e salsa) para dar 'grossura' ao molho caso esteja muito líquido, o que não era o caso deste molho.
Ficou óptimo e muito saboroso. Comemos com pão e tostinhas.



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...